Logo PeixeseAquarismo.com

Peixe betta macho e fêmea. Podem ficar juntos?

Bettas são famosos por serem peixes territorialistas, isso acaba gerando muita dúvida sobre quais peixes podem ser seus companheiros. Mas a verdade é que dentro da espécie temos uma diferença de comportamento muito grande entre machos e fêmeas.

Enquanto quase 100% dos machos são extremamente territorialistas, as fêmeas costumam ser muito mais pacíficas. Isso quer dizer que bettas machos e fêmeas podem viver juntos?

Nunca se deve misturar em um mesmo aquário bettas machos e fêmeas. Os bettas machos são extremamente territorialistas e nunca aceitam dividir o espaço com peixes da sua própria espécie. O mesmo não é verdade com as fêmeas, elas são muito mais receptivas com todos os tipos de peixe, inclusive com outras fêmeas da mesma espécie. Ainda é possível surgir brigas entre os animais, porém são muito menos frequentes do que com os machos.

Ainda assim, é preciso lembrar que a agressividade de qualquer espécie tende a subir se não estiverem em condições ideais, então ter muitos bettas fêmeas em um mesmo aquário, provavelmente gerará muito atrito entre os peixes, ainda mais se for um aquário muito pequeno para a quantidade de animais que se encontra ali.

Como diferenciar macho e fêmea

Na hora de adquirir seu betta, é preciso saber descobrir o sexo do peixe. Apesar de serem uma das espécies mais fáceis de diferenciar entre machos e fêmeas, ainda podem ocorrer erros se não for dedicada alguma atenção nos detalhes. As principais diferenças são:

Machos: Costumam ser maiores, mais compridos e magros. Têm cores mais fortes e chamativas, se o peixe possui tons brilhantes, muito provavelmente é macho. Fora isso, suas barbatanas (ventrais e dorsais) e cauda costumam ser muito longas, sendo a característica mais marcante do macho. Além disso, não apresentam ovipositor.

Betta macho
Guia Definitivo do Betta
Guia Definitivo do Betta

Fêmeas: Costumam ser menores e mais robustas (não tão magras quanto o macho). Têm cores mais opacas e escuras, não chamando tanta atenção, como os tons brilhantes do macho. Além disso, sua cauda e barbatanas costumam ser curtas, com tamanho igual ou menos as dimensões do seu corpo. Além disso, possuem o tubo ovipositor, que pode ser difícil de notar em fêmeas jovens, mas são facilmente localizados em fêmeas mais maduras. Localiza-se entre a barbatana e cabeça na parte de baixo do peixe.

Betta fêmea com ovipositor exposto

Por que o betta macho não aceita a fêmea?

Os motivos que levam o macho e a fêmea a brigarem são os mesmos pelos quais os machos brigam entre si. São peixes territorialistas e que se sentem ameaçados por peixes com aparência similar a deles. Portanto, fêmeas da mesma espécie ativam esse instinto protetor do território no macho, assim como outras espécies de peixes também pode causar esse comportamento (peixes com caudas longas por exemplo). A origem desse territorialismo está nas raízes do betta, que surgiram no leste asiático a muitos anos e muitos anos.

No seu habitat natural, os bettas viviam em áreas alagadas, mas que em tempos de seca, formavam poças. Nesse ambiente, a disponibilidade de recursos era muito escassa, já que o pequeno volume de água, significa poucos alimentos, pouco espaço e também pouco oxigênio. Então, qualquer competição por esses recursos, era muito ameaçadora para essa espécie. Dessa maneira, os peixes mais agressivos, acabavam sobrevivendo mais, já que não permitiam que outros consumissem os recursos disponíveis. Essa seleção natural, acabou causando a prevalência do comportamento agressivo nos betas.

E durante a reprodução?

O único momento onde peixes machos e fêmeas costumam coexistir proximamente é durante a reprodução. Ainda assim, não é necessariamente um período pacífico para a fêmea. Antes do acasalamento começar, é comum que o macho persiga e ataque a fêmea. Esse comportamento é tao intenso, que pode de fato machucar a fêmea, que precisa de um período de descanso para se recuperar. Essa agressividade dura até o momento em que ele finalmente a recebe debaixo do seu ninho de bolhas (não confunda o ninho de bolha, com espuma no aquário) e a reprodução comece.

Na hora que reprodução termina e todos os ovos estão no ninho de bolhas, o betta imediatamente se torna em protetor do ninho e vai atacar a fêmea com ainda mais intensidade caso ela se aproxime. A fêmea também pode acabar comendo os ovos, caso tenha a oportunidade. Portanto, após a reprodução a fêmea deve ser removida imediatamente. Enquanto o macho cuida dos filhotes até o momento em que eles podem nadar livremente. Nessa hora é preciso remover também o macho e deixar apenas os alevinos no aquário.

Quer saber tudo sobre como curar seu betta das doenças mais comuns da espécie, além de deixar seu peixe muito mais bonito e exuberante? Cheque este ebook. Criado pelo Pedro Imperatore, criador com mais de 20 anos de experiência, é um material excelente para quem se importa com a qualidade de vida dos seus animais. É um material de tanta qualidade, que é oferecida uma garantia de 30 dias para devolução.

Curso para criar betta

Que peixes podem ficar com o betta?

Os bettas costumam se dar bem com peixes que não são semelhantes a eles, enquanto atacam com muito vigor as espécies com características parecidas. Fora isso, peixes com comportamentos muito agressivo podem intimidar o betta, o que pode o tornar muito passivo ou extremamente agressivo. Mas afinal, que tipo de peixes podem viver com os bettas?

Bettas fêmeas costumam poder viver com qualquer tipo de peixe (exceto os que são muito maiores e poderiam comê-las). É bastante comum, inclusive, ter aquários com muitas fêmeas juntas. Ainda pode se observar algum comportamento mais agressivo, mas é bem mais raro, já que a agressividade nelas é muito menor do que nos machos.

Bettas fêmeas vivendo no mesmo aquário

Já o betta macho, além de não poder viver com peixes da mesma espécie, também tem que ser mantidos longe de peixes com caudas longas, da família dos anabantídeos ou de cores similares as suas. Outros peixes também territorialistas também podem ser um gatilho para a agressividade do betta.

As características acima, costumam existir em peixes não adequados como companheirso de um betta, mas mesmo com as espécies que não apresentam essas características, é sempre bom vigiar o comportamento nos primeiros dias de contato, para observar se ele não demonstra sua agressividade com nenhum dos habitantes do aquário.

Seja com um aquário com muitas bettas fêmeas, ou com um betta macho e outras espécies, é muito importante lembrar que quando não estão isolados, peixes bettas precisam de aquários muito grandes e com lugares para se esconder, naqueles momentos em que o animal esta estressado ou se sentindo ameaçado.

Quer que seu betta fique colorido e saudável? Quer um betta forte e resistente a doenças? Além disso, sabia que você pode fazer o betta viver até o dobro do tempo? No curso Peixe Betta Saudável você decubrirá como criar o Aquário Perfeito, Ter um Peixe Betta que Vive o Dobro do Tempo com Muito Mais Saúde e Energia, Sem Precisar Gastar Dinheiro com Equipamentos Desnecessários!

Curso do Peixe Betta Saudável

Publicado em 26 jun, 2020

Autor: Rodrigo Matos é aquarista a mais de 20 anos, com dezenas de aquários montados a longo dessas duas décadas. Sua especialidade são aquários plantados, porém têm experiência com aquários marinhos, ciclideos, criação de neocaridinas, bettas, nanos, dentre outros. Atualmente está focado na criação de neocaridinas e em aquários densamente plantados.

Mais sobre Água Doce >

Aquário Ácido

ÚLTIMOS ARTIGOS >

Aquário Ácido